Notícia

Cuidados com a alimentação do homem
img 15 jul/2021

Cuidados com a alimentação do homem

Os cuidados nutricionais são essenciais para ter um estilo de vida saudável. A saúde do homem, por exemplo, requer atenção especial, com destaque à atenção primária. Para o Nutricionista, estabelecer um pacto entre o paciente e o profissional reforça a responsabilidade de todos os atores neste processo.

 

POR QUE É NECESSÁRIA UMA ATENÇÃO À SAÚDE DO HOMEM?

 

No que tange às políticas editadas pelo Ministério da Saúde, o tema ganhou notoriedade em 2009 e foi regulamentada por meio do Anexo II da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH).

 

É de conhecimento a maior taxa de morbimortalidade na população masculina uma vez que os homens estão envolvidos na maioria das situações de violência; utilizam álcool e outras drogas com maior frequência; estão mais expostos aos acidentes de trânsito e de trabalho; não procuram os serviços de saúde e quando procuram não seguem os tratamentos recomendados; geralmente, têm medo de descobrir doenças; não se alimentam adequadamente; estão mais susceptíveis à infecção de IST/aids e não praticam atividade física com regularidade. As diferenças nos padrões de comportamento entre homens e mulheres sustentam a necessidade de planejamento e desenvolvimento de estratégias de educação em saúde, voltadas para os homens, além de reforçar a necessidade de sensibilização deles para o entendimento da sua própria fragilidade e responsabilidade com sua saúde. Os homens acessam os serviços de saúde por meio da atenção terciária, quando já existe um quadro clínico de morbidade instalado, muitas vezes cronificado, demandando altos custos sociais, particularmente, para os homens, e econômicos para o estado.

 

Dessa forma, percebeu-se necessário fortalecer e qualificar a atenção primária garantindo, assim, a promoção da saúde e a prevenção do adoecimento. Muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade, as medidas de prevenção primária

 

Para atingir o seu objetivo geral, que é ampliar e melhorar o acesso da população masculina adulta – 20 a 59 anos – do Brasil aos serviços de saúde, a Política Nacional de Saúde do Homem focou em cinco (05) eixos temáticos, na busca de sensibilizar gestores(as), profissionais de saúde e a população em geral quanto a:

 

1) Acesso e Acolhimento;

2) Saúde Sexual e Saúde Reprodutiva;

3) Paternidade e Cuidado;

4).Doenças prevalentes na população masculina; 5).Prevenção de Violências e Acidentes:  [Saúde do Homem: promoção e prevenção à saúde integral do homem (saude.gov.br), 07-07-2021.

 

TRADUZIR A TEORIA PARA A PRÁTICA: EXEMPLO DA  PMAISH/SP QUE SEGUE A DIRETRIZ CONFORME RESUMIDO ABAIXO: Saúde do Homem | Secretaria Municipal da Saúde | Prefeitura da Cidade de São Paulo

 

1). Realizar discussões, grupos de estudo entre gerência e profissionais sobre formas de abordagem integral à saúde do Homem para os Agravos e Doenças;

2). Realizar busca ativa e ou atendimento e exames preventivos em domicílio, trabalho, escolas, espaços masculinos dentre outros, quanto à:  fatores de risco modificáveis (tabagismo, alimentação inadequada, inatividade física, consumo de álcool e drogas); aos primeiros sinais e sintomas promovendo a abordagem integral para promoção e prevenção à saúde e na realização de exames preventivos (verificação de PA, teste rápido de diabetes, antropometria, testes para sífilis, teste para HIV, anemia falciforme, lipidograma etc.);

3) Realizar articulação intrasecretarial, intersecretarial e com entidades afins para as ações integrais à saúde do homem;

4). Realizar a atenção integral que incorporem as questões, vulnerabilidades, especificidades da masculinidade das diferentes etnias e povos: anemia falciforme, hipertensão arterial na população negra, outros.

 

ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E SAUDÁVEL A PARTIR DE UM “PACTO DE AUTOCUIDADO PROGRAMADO” (PAP).

 

No que tange a alimentação adequada e saudável, cabe ao profissional de saúde abordá-lo no conceito da integralidade dos cuidados conforme quadros acima, e ao nutricionista se dedicar ao histórico do paciente com vistas a identificar o quanto que as barreiras habituais esperadas na “atenção à saúde do homem” se fazem presentes e como contorná-las de forma efetiva e empática.

 

1.Como trazer o “homem” para a responsabilidade do seu cuidado da saúde?

 

Um enfoque importante para este processo de mudança de hábito tem sido o de incluir formalmente o paciente (neste caso, o homem) na responsabilidade do seu cuidado.  Usando como exemplo a ação em curso pela Secretaria de Saúde de São Paulo, na implementação do “Protocolo Cuidando e Todos”, focado no confronto às Doenças Crônicas não Transmissíveis, cabe aqui destacar o PAP.

 

O conceito do cartão PAP reside no compromisso que o cidadão “oficializa” consigo mesmo e diante do profissional de saúde, quais as mudanças que se compromete a fazer até a sua próxima consulta. Uma vez que este “compromisso de mudança” seja pactuado a anotado no cartão PAP, o paciente será sempre confrontado com o que está lá registrado, em comum acordo. Em linhas gerais, este pacto traz os pontos importantes relacionados a uma alimentação saudável, por ex, quanto a ingestão hídrica, consumo ou não de alimentos processados e ultra processados; preparações gordurosas, alerta sobre o consumo exagerado de sal. O PAP em si vai além da alimentação saudável e seus dados de Peso, Altura e IMC, englobando também pactos relacionados a controle do estresse, inclusão de alguma atividade que o faça sair da condição de sedentário, tabagismo, consumo de bebidas alcóolicas, ou seja, um alerta a todos os hábitos que deveriam ser considerados na busca de um estilo de vida saudável. Assim, o PAP é uma ferramenta de compromisso, entre o paciente- aqui no caso, o homem- e o profissional de saúde.

 

Desta forma, a atenção à saúde do homem, com foco na integralidade dos cuidados, no conceito na atenção básica, busca fortemente a adoção de técnicas engajadoras a um estilo de vida saudável sendo de responsabilidade de todos os profissionais de saúde. No caso específico dos conteúdos e abordagem de mudança nos hábitos alimentares, conta-se com o direcionamento e apoio especializado do nutricionista como parte da equipe multidisciplinar.

 

Por Yara Baxter, Nutricionista e conselheira do CRN-3, e Karina Mauro Dib, assessora das Doenças Crônicas da Atenção Primária da Secretaria Municipal de Saúde da Cidade de São Paulo e responsável pela Linha de Cuidados na Saúde do Homem.