Notícia

Como os ODS podem ser adotados em serviços de alimentação?
img 16 dez/2020

Como os ODS podem ser adotados em serviços de alimentação?

 

 

São diversas as ações que podem ser adotadas por gestores, nutricionistas, técnicos em nutrição e dietética e pelas organizações.

O Relatório Luz, é um documento emitido por diversas organizações e sociedade civil sobre o status do país em relação à Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável. O último relatório foi publicado em 2020, durante a pandemia do novo coronavírus, apresentando um cenário extremamente desafiador. 

Aqui vão algumas ideias que podem te ajudar a iniciar a mudança em serviços de alimentação, mas atenção: tente adequar à sua realidade e condições.

ODS 01 – Erradicação da pobreza: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares

O primeiro objetivo da Agenda 2030 é uma persistente urgência humanitária, hoje ainda mais agravada pela pandemia do novo coronavírus.

Pense em:

·      Parceria com cooperativas, produtores locais e de comunidades tradicionais, incentivando a economia local, desenvolvimento social e sustentável.

·         Pagamento de salários justos e acima do praticado no mercado.

·         Cumprimento dos direitos trabalhistas.

·    Garantir que na sua cadeia de fornecedores não haja quaisquer tipos de trabalhos análogos à escravidão, trabalho infantil ou que não cumpra com os requisitos legais e com condições dignas.

·         Re-pensar seu processo produtivo, analisando os impactos socioambientais, tornando-o positivo.

ODS 02 – Fome zero e agricultura sustentável: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover agricultura sustentável

De acordo com o Relatório Luz, em 2019 aumentou o retrocesso no enfrentamento da fome e na construção do sistema e da política de segurança alimentar e nutricional.

A extrema pobreza e o desemprego estão em movimento ascendente desde 2014, o que configura um cenário indicativo de subalimentação. A dificuldade aumenta em relação a análises, pois o país não dispõe de dados que permitam aferir o indicador ‘prevalência de subalimentação’.

Pense em:

·         Priorização de modelos produtivos sustentáveis, variados e que garantam a segurança dos alimentos e qualidade nutricional.

·         Planejar seu cardápio, respeitando a diversidade alimentar local, regional e sazonal, potencializando o melhor que os alimentos e a comunidade têm a oferecer.

·         Não adquirir alimentos de fornecedores que promovem a desertificação e extinção da biodiversidade, assim como àquelas que degeneram o sistema ambiental e as comunidades.

·         Utilizar alimentos saudáveis, de preferência com base de produção agroecológica.

·         Participar ativamente de consultas públicas e políticas relacionadas à segurança alimentar, buscando o acesso ao alimento saudável, regular, justo e digno.

·         Pagar de forma justa seus colaboradores e todos os envolvidos na cadeia produtiva, assim como parceiros.

·         Ser transparente e claro nas práticas adotadas no negócio, assim como na forma de comunicação.

·         A revolução começa no seu cardápio – pense nisso!

ODS 03 – Saúde e bem-estar: Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades

Em relação ao ODS 03, segundo dados da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) de 2018/2019 existe um quadro preocupante de aumento das DCNT - doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão, diabetes e câncer, que tem como fatores de risco o tabagismo, a alimentação não saudável, o consumo abusivo de bebidas alcóolicas, além de baixa prática de atividade física. 

É sabido que essas morbidades representam a maior parte das causas de morte no Brasil. Em grande parte, este cenário se deve aos hábitos pouco saudáveis, envelhecimento populacional, falta de regulação adequada e ação das indústrias de produtos não saudáveis.

Pense em:

·         Incorporação dos valores em toda a cadeia de parceiros, priorizando alimentos seguros, saudáveis, sustentáveis, comércio justo, melhoria contínua e relações harmoniosas

·         Promover consciência ambiental e saudabilidade através de práticas educativas, propiciando a formação de novos hábitos alimentares, melhora na qualidade de vida e desenvolvimento de colaboradores e comunidade.

·         Identificar e buscar eliminar os impactos ambientais gerados pelo negócio relacionados a solo, água e ar.

·         Incentivar e garantir a licença maternidade das colaboradoras e incentivar e proporcionar um ambiente seguro para o aleitamento materno.

·         Realizar encontros e discussões com a equipe sobre saúde, bem-estar, drogas e demais temas a fim de disseminar conhecimento e dar suporte a todos os colaboradores – lembrando que existe um programa deste tipo contemplado no PCMSO (programa de controle médico e saúde ocupacional)

·         Proporcionar seguro de vida e saúde aos colaboradores e seus dependentes.

ODS 04 – Educação de qualidade: Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.

Pense em:

·         Investimento no desenvolvimento profissional da equipe através de cursos, discussões, participações em eventos e vivências.

·         Ser flexível com àqueles colaboradores que estão estudando e se aprimorando em relação à negociação de horários.

·         Incentivar o aprimoramento contínuo do colaborador e se possível e seus dependentes.

ODS 05 – Igualdade de gênero: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

Dados do Relatório Luz, informam que entre 16 e 20 milhões de brasileiras sofreram algum tipo de violência no período de um ano. Em 2018, os feminicídios corresponderam a 29,6% dos homicídios dolosos de mulheres, um crescimento de 4% em relação ao ano anterior.

Pense em:

·         Priorização de parcerias com iniciativas sustentáveis praticadas e lideradas por mulheres.

·         Trabalhar dentro das atividades, questões relacionadas à diversidade social, cultural, econômica e alimentar.

·         Estabelecer política anti-discriminatória, incorporar nos valores do negócio e fazer de fato com que estejam presentes na cultura da empresa.

·         Promover igualdade salarial.

·         Não ser conivente com quaisquer tipos de violação, assédio e desrespeito por parte de qualquer ator (equipe, clientes, parceiros).

ODS 06 – Água potável e saneamento: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos.

Este tema é e extrema importância, principalmente na atual situação. Até 2018, é sabido que mais de 86 milhões de pessoas não tinham acesso adequado à água no Brasil. O atendimento precário inclui falta de canalização, água fora dos padrões de potabilidade ou em quantidade insuficiente para a proteção à saúde, gerando dependência de carro pipa, e sistema de esgoto rudimentar ou sem tratamento.

Pense em:

·         Estudar a possibilidade de modificações no processo e estrutura para aproveitar a água de reuso para limpeza, descargas em sanitários e outros, desde que não envolvam o asseio de colaboradores e uso na produção de alimentos.

·         Revistar os processos produtivos e melhorá-los a fim de otimizar o uso de recursos naturais.

·         Tratar as águas residuais e buscar meios para devolvê-la limpa ao meio ambiente.

·         Não adquirir produtos e serviços de empresas que tenham práticas poluidoras.

·         Acompanhamento dos indicadores de desempenho relacionados ao consumo de água, realizando ajustes estruturais e campanhas de conscientização.

·         Acompanhar de perto a limpeza e os processos de higiene, utilizando métodos seguros e menor uso de água.

·         Discutir sobre o impacto do descarte inadequado de resíduos em relação à poluição aquática, consumo consciente, além da importância da qualidade da água para a saúde.

·         Garantir a qualidade da água utilizada nos processos produtivos do negócio.

ODS 07 – Energia limpa e acessível: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todas e todos.

Você sabia que em 2018, apenas 45,3% da energia usada no país tinha origem renovável?

Dentre os brasileiros e brasileiras que não têm acesso à energia elétrica, 89% estão concentrados nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Não existem dados sobre a percentagem da população com acesso primário a combustíveis e tecnologias limpas ou sobre os fluxos financeiros internacionais para apoio à pesquisa e desenvolvimento de energias limpas e à produção de energia renovável, incluindo sistemas híbridos.

Pense em:

·         Uso de equipamentos eficientes, campanhas e consumo consciente

·         Incentivo das cadeias locais de produção no uso eficiente e limpo da energia.

·         Utilizar fontes de energia disponíveis e tecnologias limpas no dia a dia.

·         Analisar e melhorar o processo produtivo de alimentos e bens de consumo em relação ao uso de energia.

·         Dar preferência a iluminação e ventilação natural, respeitando as regras sanitárias.

ODS 08 – Trabalho decente e crescimento econômico: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.

Segundo o Relatório Luz, desde 2014 houve um crescimento constante na taxa de desemprego, gerando um aumento consistente do trabalho informal, que atingiu no ano de 2019 o maior nível desde 2016 (41,1%) e em janeiro de 2020 chegou a 40,7%10. Importante destacar que entre os trabalhadores por conta própria (24,6 milhões de pessoas no final do trimestre móvel encerrado em janeiro deste ano), 48,1% não têm cobertura previdenciária.

Neste cenário, ainda segundo o relatório, as mulheres são as mais afetadas, correspondendo 53,8% das pessoas desocupadas no segundo semestre de 2019, enquanto os homens representavam 46,2%. A desigualdade de gênero no desemprego cresceu. Dos 6,1 milhões de trabalhadores domésticos no país, 93% eram mulheres, das quais 60% eram pretas ou pardas. Só 28% tinham carteira de trabalho assinada e o rendimento médio mensal foi o menor entre as atividades, R$920. 

A diferença média salarial entre homens e mulheres permanece em 30% há mais de duas décadas, chegando a 40%, em 2019.

Pense em:

·         Auxiliar no processo e empoderamento de fornecedores, através de comércio justo e includente, favorecendo, favorecendo a economia local e o desenvolvimento social.

·         Prezar por um ambiente de trabalho harmonioso, seguro e adequado.

·         Buscar conhecer e atuar nas questões sociais e econômicas que permeiam toda a cadeia produtiva de alimentos, as relações humanas e justiça social.

·         Cumprir com os requisitos trabalhistas e fornecer EPI’s conforme PPRA e orientações do PCMSO.

·         Não consumir ou estabelecer parcerias com fornecedores que atuam de forma duvidosa em relação ao meio ambiente e às práticas trabalhistas.

ODS 09 – Indústria e inovação: Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação.

Em abril deste ano, o Congresso Nacional aprovou um pacote de R$ 190 bilhões para linhas de crédito a micro e pequenas empresas, mas 86% dos pequenos negócios que buscaram crédito não conseguiram ou aguardam empréstimo, segundo dados do Relatório Luz.

Diante das desigualdades históricas e estruturais de gênero e raça na sociedade brasileira, o relatório ainda traz que as empresas lideradas por mulheres foram mais afetadas pela conjunção de crises potencializada com a pandemia. Antes da situação de emergência sanitária, 32% dos/as empresários/as negros/as afirmavam já terem recebido negativa de crédito sem explicação. Não há dados a partir de fevereiro, mas a dinâmica social aponta para a piora desse quadro.

Pense em:

·         Buscar constantemente o aperfeiçoamento do seu processo produtivo e incentivar seus parceiros na busca de novas tecnologias, inovações e melhoria contínua.

·         Incorporar tecnologias limpas e que possibilitem a melhora o processo produtivo, a fim de reduzir o desperdício e promover processos enxutos.

·         Adotar tecnologias de parceiros que respeitem o meio ambiente e trabalhem por sistemas e sociedades mais justas.

ODS 10 – Redução das desigualdades: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles

As desigualdades estruturais no país são históricas e embora estejam relacionadas em todas as ODS, nesta estão presentes fortemente, sendo potencializadas pela pandemia.  

Entre 2014 a 2019, a renda do trabalho da metade mais pobre da população caiu 17,1%3 e a renda do 1% mais ricos subiu 10,11%. A renda da classe média caiu 4,16%. Além disso, A Síntese de Indicadores Sociais aponta que, em 2018, homens ganhavam, em média, 27,1% mais que as mulheres e os brancos ganharam em média 73,9% mais do que negros. A população ocupada de cor ou raça branca tinha rendimento-hora superior à população preta ou parda segundo qualquer nível de instrução. A participação de pessoas negras era mais acentuada nas atividades agropecuárias (60,8%), na construção civil (62,6%) e nos serviços domésticos (65,1%), atividades com rendimentos inferiores à média em 2018, segundo o Relatório Luz.

Pense em:

·         Estimular a economia sustentável da produção de orgânicos, incentivando o desenvolvimento local e contribuindo com os negócios, geração de riquezas e valor compartilhado na região. 

·         Valorizar e respeitar todas as etnias e culturas.

·         Repudiar qualquer tipo de discriminação. Reconhecer as qualidades da própria cultura, exigir respeito para si e para os outros.

·         Estabelecer política contra qualquer tipo de discriminação.

·         Ter equidade salarial e promover planos de aprimoramento de carreira.

ODS 11 – Cidades e comunidades sustentáveis: Tornar as cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

Em 2018, embora 98,8% da população urbana e 92,1% da população total tenham acesso à coleta regular domiciliar de resíduos sólidos (RSU), a coleta seletiva só atingia 38,1% dos municípios brasileiros (1.322) em 201914. Além disso, só 0,19% do total de 62,78 milhões de toneladas de resíduos foi recuperado em 70 unidades de compostagem e somente 1,7% de 1,05 milhão de toneladas de resíduos recicláveis, em 1.030 unidades de triagem. Isso quer dizer que, aproximadamente 46,68 milhões de toneladas foram parar em aterros sanitários (75,6%) e 15,05 milhões de toneladas (24,4%) tiveram destinação final inadequadas.

Pense em:

·         Uso de logística reversa, buscando reduzir os resíduos e impactos ambientais locais.

·         Análise do processo produtivo para exclusão de possíveis gargalos de desperdício, atuando ativamente no processo.

·         Seu cardápio (de novo!) - use ingredientes locais e valorize as preparações regionais. Aproveite integralmente os alimentos.

·         Pense em seus subprodutos e analise as possibilidades de ao invés de resíduos, gerar matérias-primas para novas economias.

·         Manejo de resíduos orgânicos em composteiras, gerando adubo e realimentando o ciclo produtivo.

·         Trabalhar com temas que permeiam o dia-a-dia dos colaboradores em relação a resíduos, água e energia (uso e consumo), discutir a vida em sociedade e os impactos ambientais das atividades cotidianas.

·         Apoiar o comércio e produtores locais, principalmente àqueles de iniciativa sustentável, promovida por mulheres e comunidades tradicionais.

·         Estabelecer salários que promovam a dignidade dos seus colaboradores para que os mesmos tenham condições de habitação segura e condições de transporte dignos.

ODS 12 – Consumo e produção responsáveis: Assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis.

Ao invés de não incentivar o consumo de combustíveis fósseis, atualmente temos visto a eliminação das restrições de segurança para o uso de veículos automotores e o relaxamento de normativas de controle de poluentes.

Um ponto de extrema importância e que retrocedeu, foi a questão de desperdício e alimentos devido à baixa conscientização no país e à inexistência de políticas estratégicas de segurança alimentar em curso, que acompanhe o crescimento populacional, aspecto também relacionado ao ODS 2.

No início de 2019 o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) e a Câmara Multissetorial foram desarticulados, evidenciando que “a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis” não se demonstra como prioridade atualmente.

Pense em:

·         Uso dos recursos de forma racional e consciente, realizando o monitoramento dos indicadores de desempenho do estabelecimento em relação ao uso e consumo de recursos naturais.

·         Trabalho com parceiros que possuem os mesmos valores de respeito e cuidado com as relações humanas e meio ambiente.

·         Discutir o impacto da mídia e sociedade na percepção de necessidade e consumismo em diversos aspectos: alimentar, tecnológico, acadêmico, entre outros.

·         Atuar com parcerias locais e próximas ao estabelecimento, reduzindo as emissões de CO2.

·         Respeitar a sazonalidade dos alimentos e atuar com processos produtivos enxutos, monitorando os indicadores de desempenho em relação ao uso de recursos e impactos ambientais, propondo melhoria contínua.

·         Ser transparente e comunicar as práticas associadas sempre com indicadores confiáveis e claros.

·   Atuar em parceria com os fornecedores a fim de garantir a melhoria e otimização dos recursos.

·     Não ser conivente ou co-responsável em práticas destrutivas relacionadas à cadeia de produção de alimentos, bem como os demais fornecedores e serv