Notícia

Como ficaram os vínculos de trabalho dos Nutricionistas em época de Pandemia?
img 18 jun/2020

Como ficaram os vínculos de trabalho dos Nutricionistas em época de Pandemia?

Projeto de Fiscalização COm VIDa na Pandemia - 2020

 

Atenção Técnicos em Nutrição e Dietética!

 

No período de 01 a 10 de julho o Setor de Fiscalização, irá disponibilizar (via Newsletter) aos Técnicos em Nutrição e Dietética (TND) com inscrição ativa, um questionário para preenchimento, cujo objetivo é coletar dados sobre o trabalho desenvolvido durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19), acolher e entender as preocupações da categoria frente à pandemia, além de realizar um diagnóstico situacional da atuação do Técnico em Nutrição e Dietética.

 

Acesse o link para o questionário
Apenas para  Técnicos em Nutrição e Dietética

 

Sua colaboração é muito importante para que possamos obter um diagnóstico situacional da atuação do Técnico em Nutrição e Dietética neste período de pandemia e propor ações futuras.

 

Ciente e preocupado com a possibilidade de ampliação do quadro de desemprego dos Nutricionistas neste período de pandemia (Covid-19), o CRN-3 incluiu no questionário do Projeto COm VIDa a pergunta “Houve alteração do seu vínculo empregatício?”. E assim, ao final do projeto, após a compilação dos dados, teremos um diagnóstico da situação referente aos vínculos empregatícios dos Nutricionistas e para intensificar ações de fiscalização nos segmentos onde houveram desligamentos de profissionais. 

Destacamos que no período de 4 a 22 de abril os Nutricionistas Fiscais do CRN-3 aplicaram 750 questionários, sendo: 196 em Alimentação Escolar Privada; 154 em Alimentação Escolar Pública; 202 em Hospitais e 198 em ILPIs (Instituições de Longa Permanência para Idosos).

Em relação a Alimentação Escolar Privada, 70% dos profissionais disseram que sim (houve alteração do vínculo) e 30% disseram que não. Dos profissionais que tiveram seus vínculos alterados, 44% o contrato foi suspenso, 45% passou a desenvolver trabalho home office, e 1% foi demitido e 10% outras.

No segmento da Alimentação Escolar Pública, 68% dos Nutricionistas disseram que sim e 32% disseram que não.  Dos profissionais que tiveram seus vínculos alterados, 64% passou a desenvolver atividades home office, e 4% teve o contrato suspenso e 12% outras.

Já nos Hospitais, 91% dos entrevistados informaram que seus vínculos não foram alterados e 9% sim.  Dos profissionais que tiveram seus vínculos alterados, 35% passou a desenvolver atividades home office, 15% desligados e 50% outras. 

Nas ILPIs, 72% dos nutricionistas não tiveram seus vínculos alterados, e 28% informaram que sim. Dos profissionais que disseram sim, 67% passou a desenvolver trabalho home office, 9% com o contrato suspenso temporariamente e 24% outras.

Com esses resultados, constatamos que nos segmentos de Alimentação Escolar (pública e privada) o Nutricionista teve mais alterações nos seus vínculos empregatícios, variando de 68% (pública) a 70% (privada) e atribuímos esses resultados ao fato de que as escolas suspenderam suas atividades presenciais em meados de março.

Por outro lado, nos hospitais, somente 9% dos Nutricionistas tiveram seus vínculos alterados e nas ILPI 28% - locais que permanecem abertos e em atividade.

Ressalta-se que mesmo neste período de pandemia, o CRN-3 segue com ações de fiscalização, dentre elas: solicitando aos gestores a presença do Nutricionista Responsável Técnico, para garantir que as atividades de alimentação e nutrição sejam realizadas por profissional habilitado, conforme previsão legal.

 

Por Lúcia Helena Lista Bertonha/Gerente Técnica