Notícia

Como ajudar a melhorar a alimentação do adolescente
img 14 jul/2020

Como ajudar a melhorar a alimentação do adolescente

Ah a adolescência... um período de afirmação de pensamentos, ideias e hábitos. E também de crescimento e desenvolvimento acelerado, por isso a importância de dar uma atenção maior a QUALIDADE da sua alimentação. Nessa fase, a alimentação do adolescente é influenciada por muitos fatores como: psicológicos, mídias, amigos, imagem corporal, etc. 

 

Segundo uma pesquisa feita pelo movimento “Comer pra quê?”, que está em ação desde 2014, por iniciativo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), a falta de tempo, o fácil acesso a produtos ultra processados e mais baratos, o distanciamento dos familiares na rotina da alimentação e a maior necessidade de educação alimentar nas escolas estão entre os principais obstáculos apresentados pela juventude para a manutenção de uma alimentação criativa e nutritiva nesta fase da vida.

 

Então o que fazer? Primeiro vamos refletir: Você lembra da sua adolescência? Das sensações, dos medos, das suas vontades, das mudanças no seu corpo? A adolescência é um período de transição tomado de sentimentos controversos e de muitas novidades boas, porém assustadoras. É uma época de mudanças emocionais significativas na vida, intensas variações de humor (de muito feliz para muito triste em minutos), processos esses que demandam muito do adolescente. Não é fácil para eles também serem adolescentes, você já parou para pensar nisso? 

 

Por isso, antes de manda-los comerem brócolis, quiabo e beterraba é importante ter empatia e amorosidade para compreender essa fase que estão passando. O papel do Nutricionista é ajudá-los nas escolhas alimentares e não escolhermos por eles e ajustar alguns distúrbios do comportamento durante as refeições:

 

1. Resgatar o comer em família. A família é o principal exemplo, e a comida que tem dentro de casa definirá boa parte da alimentação do adolescente.

2. Deixe disponível frutas, verduras e legumes na geladeira já lavados, descascados e picados, tornando-os assim mais acessíveis.

3. Incentivar a mastigação adequada, sem pressa.

4. Aumentar consumo de água e diminuir o de bebidas açucaradas e refrigerantes.

5. Evitar realizar refeições na presença de dispositivos eletrônicos como televisão, computador, celular, tablet.

6. Ter horários definidos de rotina para se alimentar.

7. Evitar pular refeições, principalmente o café da manhã.

8. Não substituir as refeições principais por lanches gordurosos

9. Incentivar o exercício físico. 

10. Evitar o consumo de alimentos industrializados e ultraprocessados (refrigerantes, fast food, salgadinhos, refrescos em pó e etc).

11. A qualidade dos alimentos é muito importante nesta fase, por isso não é indicado nenhuma dieta da moda ou restrição severa de qualquer nutriente para emagrecer.

12. Alguns nutrientes merecem atenção especial nessa fase: ômega3, vitamina A, cálcio, acido fólico, magnésio, zinco, ferro e vitamina D.

13. Levar o adolescente para cozinha para fazer receitas caseiras. Essa interação é importante para estimular o contato, principalmente, com alimentos não aceitos.

Essas mudanças devem ser corrigidas gradativamente, não vai funcionar se quisermos que todas essas mudanças aconteçam de uma vez só. Faça combinados com o adolescente e crie metas (uma ou duas de cada vez) iniciando, de preferência, com aquelas que considerem mais simples e assim vai progredindo para as mais difíceis.

O planejamento nutricional inadequado pode levar à diminuição da velocidade de crescimento e a redução da massa muscular, por isso, a ajuda de um  nutricionista é fundamental!

Fonte: Obesidade na infância e adolescência – Manual de Orientação / Sociedade

Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia. 2ª, 2012.

 

Por Camila Alves