Notícia

A importância da nutrição durante a gestação
img 14 ago/2020

A importância da nutrição durante a gestação

Durante a gestação, o corpo da mulher passa por muitas mudanças metabólicas e fisiológicas. Para se adaptar a todas essas alterações no organismo, é preciso atenção redobrada com a alimentação. Logo, o nutricionista torna-se um profissional fundamental nesse período!

O suporte nutricional adequado contribui para prevenção de uma série de intercorrências, assegura reservas biológicas necessárias ao parto e pós-parto, garante substrato para o período da lactação, como também favorece o ganho de peso adequado do bebê.

As consequências de uma má nutrição durante a gestação podem acompanhar o bebê e a mãe por anos. Assim, uma alimentação adequada trará benefícios para a vida toda, inclusive na formação de hábitos alimentares saudáveis da criança.

Algumas situações são comuns durante esse período, como azia, náuseas e vômitos, e o nutricionista é capaz de identificá-las e tomar condutas nutricionais adequadas para eliminar ou amenizar os sintomas.

Além disso, quanto as recomendações, o nutricionista irá orientar alguns nutrientes que tem sua necessidade aumentada na gestação, pois fazem parte da formação e do crescimento do bebê principalmente cálcio, fósforo, vitamina D, vitaminas do complexo B, em especial B1 e B12, ácido fólico, zinco e ferro.

O recomendado é que a gestante tenha acompanhamento nutricional desde o pré-natal, para avaliação do estado nutricional, detecção de possíveis inadequações dietéticas, desmistificação de mitos e realização da educação alimentar e nutricional. As consultas devem ser iniciadas, preferencialmente, no primeiro trimestre da gestação.

As refeições devem contemplar todos os grupos alimentares existentes. A gestante deve ingerir vegetais verdes escuros, legumes, frutas, carne bovina, frango, ovos e peixes, leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha, ervilha, etc), cereais e tubérculos, gorduras saudáveis (abacate, azeite, castanhas e sementes), água e leite e derivados (fora do horário do almoço e jantar). Evitar alimentos ultraprocessados, excesso de cafeína e de açúcar e gorduras saturadas e trans (frituras, manteiga e  gordura vegetal). 

As refeições devem ser distribuídas em seis vezes ao dia: desjejum, colação, almoço, lanche, jantar e ceia. Os intervalos, em média, são de três horas entre uma e outra refeição.

Dessa maneira, os nutricionistas têm um papel importante na orientação adequada às gestantes e na promoção de uma gestação saudável e equilibrada, que implicará diretamente no perfeito desenvolvimento do feto.

 

Por Camila Alves, Nutricionista e Conselheira do CRN-3